sábado, 18 de junho de 2016

Desafio literário 2016- 9° livro concluído.


Oi meu povo lindo,boa noite!
Hj trago o nono livro lido no desafio literário 2016.
Item 10; um livro com um título estranho.
JUBIABÁ,de Jorge Amado.

Obs:Essa imagem peguei no Google,pois meu livro comprei num sebo e está meio velhinho,rsrsrs...

Sinopse:http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=12594

Antônio Balduíno nasce órfão no morro do Capa-Negro, que tinha como grande referência espiritual o centenário feiticeiro e ex-escravo Jubiabá. Depois de uma infância de liberdade e pequenos delitos nas ruas de Salvador, num ambiente similar ao que seria desenvolvido em Capitães da Areia, vira malandro, sambista e desordeiro, até ser transformado em boxeador profissional por um empresário italiano. Encerra a carreira prematuramente ao tomar uma surra no ringue numa noite de bebedeira e acaba indo trabalhar nas plantações de fumo do Recôncavo Baiano. Explorado ao extremo, apunhala um homem, foge, se engaja num circo ambulante, volta a Salvador, vira estivador, faz greve. Ao longo dessas muitas vidas, choca-se contra o mundo das mais variadas formas, até atingir um vislumbre de compreensão da realidade que o cerca e de seu lugar nela.
Publicado em 1935, quando o autor tinha apenas 23 anos, Jubiabá constitui um verdadeiro romance de formação e trata de um dos temas mais caros ao escritor - a força da cultura afro-baiana contra a opressão política e as injustiças sociais -, atestando o vigor narrativo de Jorge Amado e seu talento para a criação de personagens vívidos e inesquecíveis. Além de Balduíno e de Jubiabá, merece destaque a branquíssima Lindinalva, por quem o protagonista nutre um amor platônico na pré-adolescência e que reaparece anos depois doente e prostituída. Surgem ainda, de passagem, personagens que retornarão no livro seguinte do autor, Mar morto: o marinheiro Guma, o mestre de saveiro Manuel e sua esposa Maria Clara.
A edição francesa de Jubiabá acabou motivando a vinda ao Brasil de franceses ilustres como o fotógrafo e etnólogo Pierre Verger, o escritor Albert Camus e o fotógrafo Marcel Gautherot. Qualificado de "magnífico" por Camus, o romance foi adaptado para o cinema (por Nelson Pereira dos Santos), o teatro, o rádio, a televisão e os quadrinhos.


Muito bom,adorei o livro!

Bjs!

2 comentários:

  1. Olá!
    Bom dia Ana!
    Estou gostando de ver! Parabéns por ter lido mais um livro...
    Esse eu não conhecia, e é estilo ao que meu marido gosta...ele gosta de tudo relacionado ao Boxe.
    E a história parece bem interessante,não conhecia.
    Já atualizei o meu post!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Oi querida, como vc está?
    Não se preocupe em terminar o Desafio e sim de ler livros! E conforme vc for lendo, vem trazendo para nós!
    Espero que tudo ai se resolva da melhor forma...
    Um lindo FDS!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir